Beach Class Magazine


‘Titanic’, o aniversário de 20 anos de uma das maiores bilheterias do cinema mundial

Voltar Por David Marcelino

Titanic, segunda maior bilheteria de toda a história do cinema, encanta em seu vigésimo aniversário,  uma nova geração de fãs graças a exibições em 3D pelos Estados Unidos. Para comemorar a data – a estreia oficial nos circuito no Estados Unidos foi em 19 de dezembro de 1997 –, o filme voltou a cartaz na Terra do Tio Sam em versão 3D. Esse mesmo artifício de projeção já havia sido usado no relançamento da produção em 2012, com cópia restaurada, na data que marcava os cem anos do naufrágio do navio homônimo que inspirou James Cameron, o diretor.

 


Titanic estreou no Brasil em 1998 e foi o maior sucesso (Foto: Divulgação)

 

"A história real do 'Titanic' é atemporal. Parece existir fora de nossas vidas diárias. Esta lição de moral direta, sem rodeios, é algo que nos fascina", disse o diretor, James Cameron, aos fãs, durante uma sessão comemorativa em LA.

 

A moça rica da alta sociedade, Rose (Kate Winslet), e o artista e pobre Jack (Leonardo DiCaprio) são personagens fictícios criados pelo diretor para contar uma história dentro da tragédia com o famoso navio, que afundou em 1912 depois de bater contra um iceberg durante sua primeira viagem, de Southampton (Inglaterra) a Nova York (EUA). Titanic estreou no Brasil em 16 de janeiro de 1998, pouco antes de entrar para a história com 11 Oscars, incluindo os de melhor filme e direção.

 

Além de levar para casa as 11 estatuetas do maior prêmio do cinema mundial, o longa-metragem arrecadou US$ 2,2 bilhões em ingressos vendidos. Somente "Avatar", 12 anos depois,  em 2009, também com direção de Cameron, superou a marca com 2,8 bilhões em receita.


Celine Dion na cerimônia que deu à canção “My heart will go on” o Oscar de Melhor Canção (Foto: Divulgação)

A trilha sonora original do filme foi um sucesso no mundo todo: a música "My heart will go on", interpretada pela cantora canadense Celine Dion é uma das mais vendidas do planeta. Aqui no Brasil, durante todo o ano de estreia do filme, foi tocada exaustivamente em rádios de todos os segmentos por todo o país e até ganhou uma versão em português, interpretada pela dupla Sandy & Junior.

Com 195 minutos de duração, o filme pode dar a impressão de ser tão longo quanto a viagem interrompida do navio - apresentado como inafundável - mas recebeu críticas elogiosas e fez de jovens atores estrelas internacionais. Também provocou um debate acalorado que, vinte anos depois, continua vivo entre os fãs: havia espaço suficiente na porta utilizada por Rose nas águas geladas do Atlântico Norte de modo que os dois amantes pudessem se salvar?


Uma das cenas mais emblemáticas do filme: a morte de Jack (Foto: Divulgação)

A resposta é muito simples, porque diz na página 147 [do roteiro] que Jack morre. Muito simples… Obviamente, era uma escolha artística, a coisa era apenas grande o suficiente para segurá-la, e não era grande o suficiente para segurá-lo… Acho meio bobo, de verdade, que as pessoas ainda tenham essa discussão 20 anos depois“, explica Cameron.

 

Gostou? Veja o que separamos para você:

Tem homenagem a Benedicto Calixto na Pinacoteca  

"Star Wars - Os últimos Jedi" é o destaque do fim de semana nos cinemas

Exposição mostra inventos de Bartholomeu de Gusmão em Santos