Beach Class Magazine


Celebração e despedida marcam a abertura da 44ª São Paulo Fashion Week

Voltar Por David Marcelino

Extremamente feminina a Iódice deu o start na 44ª São Paulo Fashion Week. Na plataforma montada na área externa do luxuosíssimo Hotel Palácio Tangará, recém inaugurado no Morumbi, a marca comemorou os 30 anos de sua existência. O desfile aconteceu no último domingo, 27 de agosto.

 

Ciça Neder-Brazil Photo Press.jpg
Iódice dá show de feminilidade na passarela da 44ª SPFW (Foto: Ciça Neder/ Brazil Photo Press)

 

Com direção criativa de Valdemar Iódice e estilo assinado por Simone Nunes, a coleção que tem o nome de “Tropical Art” traz listra, franja, mídi, crochê e até vinil. Os vestidos, quase sempre longos, são soltos em toda a silhueta. A mulher que a marca enxerga é sexy, mas está bem longe da vulgaridade.

 

A cartela de cores está bem longe do que chamamos de convencional: tem mostarda, verde claro, azul claro, marinho, tijolo e vermelho tomate. O brilho está nos tubos assimétricos de malha e paetês prateados.

 

iodice-spfw-fashionistando-Agência Fotosite.jpg
Listras finas largas e improváveis na coleção da Iódice (Foto: Agência Fotosite)

 

Os acessórios fizeram sua parte na construção dessa imagem que instiga. As bolsas com alças em macramê, os óculos com lente “recortada” e armação mais pesada - feita em parceria com a Chilli Beans - e os brincos com franjas longuíssimas são produções do styling Pedro Sales. O destaque aqui fica com as botas de cano alto com a mesma estampa trazida nas roupas e a versão estilosíssima das tão conhecidas papetes, decoradas com aplicações em dourado.

 

iodice-vinil-spfw-fashionistando-agenciafotosite4.jpg
Zíper aparente até nos looks mais sofisticados da Iódice (Foto: Agência Fotosite)

 

Uma linda e longa história de sucesso de uma empresa de moda. O que, no nosso país, é uma vitória e tanto.

 

A despedida  

 

Um dos estilistas mais conhecidos e prestigiados do país anunciou a sua saída da semana de moda brasileira. Alexandre Herchcovitch desfilou sua marca, À La Garçonne, no sábado, 26 de agosto. A linda e badalada apresentação aconteceu no palco do Teatro Municipal de São Paulo deveria ter ocorrido no domingo e marcado a abertura do evento, mas, quinze dias antes o Municipal informou que só teria disponível a manhã de sábado.

 

AHFS-Fotosite.jpg
Herchcovitch e Fábio Souza, são casados e sócios na À La Garçonne (Foto: Agência Fotosite)

 

Uma mistura batida de funk com música clássica já dava pistas do que estava por vir. Para uma plateia vazia, o espetáculo acontecia no palco. O estilista decidiu trazer o público - os fashionistas e os famosos do Instagram - para o palco, criando um contraste que, no meio da moda, é considerado o apartheid que separa o que é fashion do que é popular.

 

Após vender e perder o direito de seu nome para assinar qualquer grife, Herchcovitch assumiu a marca do marido, Fábio Souza, há dois anos. O estilista, que está em uma fase experimental, vem abrindo o leque e trazendo propostas bastante provocativas  às passarelas.

 

alga_v18_070.jpg
Diversidade no palco do desfile da À La Garçonne (Zé Takahashi/Agência Fotosite)

 

O skatewear esteve presente. Assim como o jeans bruto, as camisetas e os moletons que abriram o desfile. Depois vieram as jaquetas camuflada com pinturas de animais selvagens nas costas, um clássico da marca. Camisaria confeccionadas em parceria com a malharia Hering, pólos feitas com a marca carioca Reserva, meias da Pucket e jeans da Vicunha Têxtil davam o tom de manifesto.

 

Com influência na estética punk dos anos 60, ele embarcou em elementos que marcaram sua carreira nos últimos 20 anos. Mas, é claro, dando uma outra aparência aos looks, uma cara nova. A sensação de que você já viu isso nada tem a ver com o “mais do mesmo”. Herchcovitch é adepto do slow fashion, que consiste em reuso de matéria-prima.

 

DESTAQUE-2-5-1200x520.jpg

O estilo de À La Garçonne, no que pode ser seu último desfile na SPFW (Foto: Zé Takahashi/Agência Fotosite)

 

Quem sai perdendo com a despedida de Herchcovitch da SPFW? Todos os envolvidos. O evento passa por um momento turbulento de um mercado em crise e, a perda de um nome de peso, pode se esvaziar ainda mais. Paulo Borges, diretor criativo da semana de moda, mesmo com todas as adversidades, administra tudo com paixão. A São Paulo Fashion Week mal começou e já está dando o que falar.


 

Gostou? Veja o que separamos para você:

Começa domingo a 44º São Paulo Fashion Week

O conforto e a elegância do estilo casual

Consumo consciente é característica de loja indiana em Santos